Skip Navigation LinksMercantil do Brasil apoia projeto pioneiro de capacitação de pessoas com deficiência

​​Trinta e uma vagas, das cinquenta e duas disponíveis, serão destinadas à instituição mineira ​

Incluir pessoas com deficiência no setor bancário. Esse é um dos objetivos do Programa de Capacitação de Pessoas com Deficiência, formatado pela Federação Brasileira de Bancos – Febraban.  O projeto pioneiro em Belo Horizonte é apoiado pelo Mercantil do Brasil e conta com a parceria da Prefeitura da capital mineira e a Universidade Fumec.

O Programa, que incentiva e mobiliza cada vez mais contratações de pessoas com deficiência junto ao setor privado, proporciona treinamento gratuito para os 52 selecionados. Trinta e uma vagas serão destinadas ao Mercantil do Brasil.

O recrutamento e a seleção acontecerão até o dia 26 de abril. Podem se inscrever pessoas com deficiência que atendam aos critérios do Decreto 5.296/04, maiores de 18 anos, com ensino médio completo. As inscrições podem ser efetuadas pelo site  www.febraban.org.br/oportunidade ou por e-mail oportunidade@avape.org.br.

Segundo Márcio Ferreira, gerente de Capital Humano do MB, um dos diferenciais do projeto é qualificação profissional de acordo com o cargo de atuação. "Queremos inseri-los no ambiente de trabalho. Por isso, os selecionados serão contratados pela instituição imediatamente após o início do processo de capacitação", explica.

O salário inicial é de R$ 923,70 - para jornada de quatro horas diárias (segunda à sexta) - e todos os benefícios previstos pela categoria. Após 90 dias, o salário passa a ser de R$ 1.012,67.

O processo de capacitação ocorrerá de 14 de maio a 24 de setembro, com a duração de 336 horas. A capacitação ocorrerá nas dependências da Faculdade Fumec e o processo de seleção, na Coordenadoria de Direitos das Pessoas com Deficiência da PBH. Durante o período do curso, a jornada dos participantes será de quatro horas. Ao iniciar o trabalho, os formandos passam para a carga horária de seis horas, com o cargo de escriturário e salário reajustado para a nova jornada.

​​​​O projeto conta com a consultoria metodológica da Avape - Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência.​​​