Skip Navigation LinksViajar ou guardar o dinheiro? Veja o que é melhor no atual momento do país.

​Sou uma pessoa controlada e tenho uma reserva para momentos de emergência e outra para minhas férias, porém com essa crise financeira que ameaça o país fico preocupada em utilizar esses recursos e me arrepender no futuro caso venha a perder o emprego ou, até mesmo, ter que fazer um ajuste nas minhas despesas mensais que estão aumentando com a inflação. Sendo assim, qual é a melhor alternativa para o momento: viajar ou adiar a viagem e poupar os recursos das férias? 

(Célia – Sumaré/SP)

Célia, em primeiro lugar gostaria de parabenizá-la pela pergunta. Sua dúvida pode ajudar muitas pessoas a fazerem uma boa reflexão.

Sua análise está correta. O momento do país exige cautela. Em janeiro de 2015, a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em seu informe anual sobre as condições de trabalho, alertou para o aumento do desemprego no Brasil nos próximos três anos. Segundo a OIT, a estabilização virá somente em 2017 com um patamar de desemprego mais alto. Essa tendência reverte a situação de estabilidade e baixo desemprego dos últimos anos e acontece pela desaceleração da economia brasileira. A alta do desemprego no Brasil acompanha um movimento presente, também, em outros países emergentes que, até 2014, pareciam imunes à crise mundial. Os dados divulgados nos últimos meses confirmam essa análise.

E qual é a consequência prática dessas notícias na vida de todo trabalhador? O risco de perder o emprego aumentou. E essa é uma péssima notícia para nossa vida financeira. Sem emprego, não temos salário e assim será muito difícil honrar os compromissos financeiros assumidos. A saída, então, é buscar rapidamente uma nova colocação no mercado de trabalho.

Para ajudar nesse momento, entra em cena um hábito financeiro bem positivo: ter uma reserva para os momentos difíceis. Parabéns por você já ter esse hábito!

É importante lembrar que quanto maior a reserva, maior será a tranquilidade para buscar um novo emprego. Vejamos um exemplo. Imagine que suas despesas mensais totalizem cerca de R$ 2 mil e sua reserva hoje está em torno de R$ 6 mil. Se você perdesse seu emprego hoje, você teria um prazo de 3 meses para buscar um novo trabalho, sem se apertar para pagar as suas despesas. Além disso, caso seja demitida por sua empresa, as reservas poderão aumentar pelas indenizações, previstas pela lei, que você irá receber. Sendo assim, nesse momento de turbulência, me parece bem prudente tentar aumentar a reserva financeira.

Pelo raciocínio anterior, seria interessante deixar de viajar para aumentar a reserva? Acho que não podemos tirar conclusões antes de refletir sobre algumas questões. Para uma conclusão mais definitiva é importante que você veja qual é o seu volume de reserva. Quanto tempo de tranquilidade ela lhe garante? Caso seja por um tempo suficiente para você buscar um novo trabalho, está tudo bem. Caso contrário, é recomendável, então, aumenta-las um pouco mais.

Abrir mão das férias é a única alternativa? Acredito que não, pois, inclusive, você já possui um valor reservado para próxima viagem. O que você pode fazer é buscar uma alternativa mais econômica ao que você havia planejado anteriormente. Por exemplo, viajar por um período menor ou para um lugar mais próximo é uma forma de economizar um pouco e ainda aumentar a sua reserva.

No final, além de economizar, você terá viajado, pois como já dizia o poeta, "de todas as malas que já desfiz, as que mais me doeram foram aquelas das viagens que nem cheguei a fazer".

Crie bons hábitos em 2015. Invista em sua educação financeira.

 

A sua pergunta pode ser a próxima a ser respondida pelo consultor. Participe! Envie sua dúvida para  educacao.financeira@mercantil.com.br .