Skip Navigation LinksGostaria que a minha vida financeira fosse diferente. O que devo fazer primeiro?

Todo início de ano fico bem triste. Gostaria que a minha vida financeira fosse diferente. Mas já começo o ano no vermelho. Em janeiro são muitas contas: material escolar da minha filha, cartão de crédito com as despesas do Natal, IPTU, IPVA. Gostaria tanto de poder aproveitar os descontos que a Prefeitura e o Governo do Estado oferecem para a quitação destes impostos, mas as minhas contas nunca fecham. Todo final de mês faço, mentalmente, um levantamento do meu salário (R$ 3,5 mil) e das minhas despesas. E sempre parece que vai sobrar algum dinheiro, mas não sobra. Além disso, não posso nem culpar o meu cartão de crédito, pois consigo controlar minha fatura. Não deixo nunca ela passar de R$ 700,00.  Mas o que devo fazer primeiro? Vejo alguns colegas de trabalho que mesmo ganhando menos do que eu conseguem fazer um monte de coisas. Onde será que estou errando? 

Gabriela – Belo Horizonte / MG

​​​​​​

Gabriela, em resumo, o que você deve implantar em sua vida financeira é o planejamento.

Você, claramente, não está satisfeita com os resultados que vem obtendo. Saiba que a nossa vida financeira  é o reflexo dos nossos hábitos financeiros. Se você persistir nos mesmos hábitos, o resultado não vai mudar. Por isso, para ter um resultado diferente é importante que você mude os seus hábitos.

O primeiro passo para isso é conhecer e ter controle sobre sua vida financeira, por meio da elaboração de um orçamento.  Nele você precisa levantar o seu ganho e todos os seus gastos. De preferência com valores reais. Mas, não faça isto mentalmente, pois nosso cérebro tende a nos enganar no tocante às finanças. Ele superestima o que ganhamos e subestima o que gastamos. Por exemplo, alguém que tenha gasto R$ 116,00 em algum produto, quando é perguntado por um amigo o quanto gastou, normalmente irá responder: uns R$ 100,00.

Para conseguir levantar o seu gasto real, faça um exercício. Durante pelo menos 30 dias, anote todas as suas despesas. Escolha uma hora do dia que seja possível fazer isto e vá anotando. Gasolina, supermercado, sacolão, padaria, conta de telefone, condomínio, lanches, saídas. Não deixe nada de fora. No final dos 30 dias, some as despesas comuns.

Em relação ao seu cartão de crédito, é fundamental que você relacione as despesas feitas com ele. Cartão de Crédito não é uma despesa, mas sim uma forma de pagarmos o que consumimos. É importante ter um controle sobre quais tipos de despesas têm sido pagas com ele.  

Tendo um orçamento com os valores reais, você poderá ver se está cumprindo a lei mais importante da Educação Financeira. Ela diz: "só se pode gastar aquilo que se ganha". Se você está gastando mais, o desequilíbrio financeiro irá trazer uma série de problemas para sua vida que podem afetar sua saúde, seus relacionamentos e inclusive a sua vida profissional.

É preciso buscar o equilíbrio, cortando gastos ou aumentando os ganhos. Tendo em mãos o seu orçamento, você poderá também refletir sobre onde você tem gastado o seu dinheiro. Nossos gastos são as escolhas que fazemos para nosso dinheiro. E escolher significa abrir mão de algo. Tendo mais controle e refletindo sobre sua vida financeira, você poderá partir para a próxima etapa que é a de estabelecer os seus objetivos.

 Quais são os seus sonhos? Escreva-os. Depois divida-os em três grupo: os sonhos de curto prazo (até um ano para sua realização), médio prazo (entre um e cinco anos para sua realização) e longo prazo (mais de cinco anos para sua realização). Feito isso, é preciso refinar o seu sonho, inclusive levantando o seu custo financeiro.

Vamos usar como exemplo, um sonho que você mencionou. Começar o ano com dinheiro para pagar à vista as despesas com impostos (IPTU e IPVA). Pode-se dizer que este é um sonho de curto prazo, pois você pretende realizá-lo em menos de um ano. Falta agora refiná-lo. Quanto você precisará para conseguir cumprir este sonho? Vamos supor que você fez as contas e chegou ao valor de 2 mil reais. Agora é preciso buscar a melhor estratégia. Vejo pelo menos duas alternativas: você economizar um pouco a cada mês ou utilizar parte do seu 13º salário que receberá no final do ano.

Agora é hora de montar um plano de ação para realizar o seu sonho. Primeiro, é necessário saber quanto você precisa guardar todo mês. Considerando o exemplo acima, serão necessários R$ 170,00 por mês.

Definido o valor, é hora de incluí-lo no seu orçamento mensal. Se couber no seu orçamento, ótimo. Caso contrário, é importante criar um espaço. Como? Cortando ou diminuindo alguma despesa. Lembre-se da questão das escolhas.

Agora, finalmente, o mais importante: todo mês, ao receber o seu salário, invista o valor definido. Não deixe de fazer isso em nenhum mês.

Sendo assim, crie bons hábitos em 2015. Invista em sua educação financeira.

​A sua pergunta pode ser a próxima a ser respondida pelo consultor. Participe!​​ Envie sua dúvida para  educacao.financeira@mercantil.com.br .

​​

Compartilhar: